quarta-feira, 27 de abril de 2011

FAZENDO HISTÓRIA NO FUTEBOL PARAENSE (E BRASILEIRO)

Na última segunda-feira tive o prazer de bater um papo com velhos amigos no sempre aprazível restaurante Nossa Casa em Santarém. Entre meus interlocutores estava o Médico Radiologista Bruno Moura, a quem conheço desde muito jovem. Depois de um período fora de Santarém, o Bruno se transformou em um empedernido amante do azul marinho santareno, acho que por conta do “estágio” feito lá pela rua Antônio Baena em Belém.

Esse prólogo foi necessário para justificar a afirmação do Bruno de que ganhar dos três ditos “grandes” da Capital (Paysandu, Remo e Tuna) não significa nada, já que isso não ganha título. É verdade, contudo, esta façanha (assim conceituada mais pela tradição do que propriamente pelo resultado), também esta longe de ser algo trivial e isso me incentivou a escrever sobre os feitos do SÃO RAIMUNDO em sua recente história no futebol do Pará e do Brasil.

O Paraense é o terceiro mais antigo Campeonato Estadual do País, em 100 anos de disputa nunca houve um único Campeão que não fosse um Clube de Belém, na verdade apenas 04 Clubes já levantaram a “Taça”, Remo, Paysandu, Tuna e o já extinto União Esportiva, ou seja, é o Campeonato Estadual mais bairrista do Brasil, fato, aliás, notório.

Neste contexto, alguns feitos conquistados pelo Pantera nos últimos anos, ao contrário do que pensa meu amigo Bruno Moura, são sim extremamente relevantes e um forte indicativo que o Clube esta na caminho certo para quebrar esse paradigma.

A primeira façanha do Pantera foi conquistar em 2009 a maior média de público e renda do Campeonato. No ano do Vice Campeonato, a Nação Alvinegra mostrou que no Pará existe sim outra torcida que não as da “famosa” dupla. E olha que, por manobra de bastidores “apoiada” pelo TJD/PA, foi vergonhosamente tirado o direito do SÃO RAIMUNDO fazer uma das partidas finais em Santarém o que, certamente, aumentaria ainda mais as duas já fantásticas médias. Ainda podemos destacar que no mesmo campeonato pela primeira vez um jogador do Pantera foi o artilheiro da competição, o atacante Élcio.

No mesmo ano de 2009, e já em contexto nacional, o Pantera Negra Santareno assombrou o Brasil ao conquistar o primeiro Campeonato Brasileiro da Série D, um campeonato que contava com Clubes tradicionais como, por exemplo, Santa Cruz (PE), Nacional (AM), Bangu (RJ), Paulista (SP), etc. Tornou-se, assim, o primeiro Clube do interior do Pará a ostentar um título nacional. Além disso, assim como no Paraense, foi do Pantera o artilheiro da competição, o meia Michel, fato também inédito para Clubes do interior do Estado.

No reboque da conquista do Brasileiro outros feitos vieram como o de primeiro Clube do interior do Pará a ser destaque na mídia nacional, a ser objeto de matérias exclusivas, etc., coisas que, também, não ganham títulos, mas valorizam a marca do Clube.

Por fim, e isso para citar apenas as marcas mais relevantes, vem às vitórias sobre os três “grandes” da Capital em um mesmo Campeonato, o feito vilipendiado pelo meu amigo Bruno.

As proezas a serem alcançadas pelo Pantera (in)felizmente ainda não acabaram, mas, pelo menos a maior de todas já tem data para acontecer – 26 de junho de 2011, dia em que, com as bênçãos dos deuses do futebol e do nosso Pai Maior, o SÃO RAIMUNDO ESPORTE CLUBE erguerá o Troféu de Campeão Paraense 2011, quebrando assim uma marca centenária e, para variar, inédita.

Ao Bruno só posso dizer que, em termos futebolísticos, inveja mata!

Avante PANTERA!!!!!!!!!!

Um comentário:

  1. André, André, André, não mata os xicox se inveja. Rsrsrsrsrsrs

    ResponderExcluir